Porque forçar seu filho a abraçar outra pessoa pode ser uma má idéia

Esses dias eu pedi um abraço para minha filha e ela respondeu “nah”. Sem controlar muito meu instinto de mãe cheia de saudade abracei ela apenas para levar um empurrão e um NAH ainda mais firme. No início me apavorei: “o que minha filha está virando?” Eu cresci aprendendo a abraçar amigos da família ou parentes, não importa em que circunstancia.. De fato, negar-lhes um abraço seria falta de respeito e não existe nada pior do que desrespeitar alguém mais velho que você!
 
Depois fiquei refletindo…. Ela está certa! Bom, reconheço as razões pelas quais alguns pais incentivam os filhos a abraçar parentes e amigos da família. Abraços são bons, certo? Eles mostram confiança, boa vontade e conexões saudáveis para as pessoas! SIM – quando são dados consensualmente. E até mesmo as crianças tem autonomia corporal e, portanto, o direito de consentir (ou não).
 
Eu entendo você e sei que suas intenções são positivas. Mas vou listar 5 razões pelas quais forçar seu filho a abraçar outra pessoa pode ser uma má idéia:
IMG_0918.jpg
 
>>>> 1. Isso ensina ao seu filho que ele não têm controle sobre seu próprio corpo: Isso é mais relevante para as crianças do sexo feminino.
 
Em nosso mundo patriarcal de olhar masculino, das regras de corpo e agressão sexual, é extremamente importante ensinar as meninas que nunca é bom ser tocada por outra pessoa quando você não quer. A mensagem não precisa ser em um contexto sexual. O corpo de uma pessoa é dela. Ela pode fazer o que quiser com seu corpo. O que quiser. As pessoas não devem se preocupar, e ela não deve se preocupar com os outros.
 
Mas quando forçamos alguém de pouca idade a nos abraçar, estamos ensinando que não são donos dos seus corpos. Em vez disso, nós estamos dizendo que uma pessoa é propriedade física e política de todo mundo. E isso não é legal.
 
>>>> 2. Isso implica que você (ou adultos em geral) tem direito de tocar o seu filho como eles querem, quando querem: Você diz para seu filho abraçar alguém. Ele expressa alguma forma de rejeição. Fica envergonhado, culpado e se sente obrigado a abraçar. E abraça. Se sente péssimo por não querer abraçar e mesmo assim teve que abraçar. Pensa que no futuro não vai mais sentir resistencia ao abraço pois isso só piora as coisas.
 
Os adultos são as figuras de autoridade na vida de uma criança. Isso é natural, pois quem mais está lhe mostrando o caminho? Certifique-se que você está lhe fornecendo as ferramentas certas.
 
Ter posse legal sobre uma criança não significa que ela é sua propriedade. Significa que é de sua responsabilidade. Ao forçar uma criança a abraçar, você está dizendo “Estou no comando aqui, você tem que fazer tudo o que eu digo.” Lamento mas não.
 
Você está no comando, o seu trabalho é de se certificar de que a criança cresce e se torna o melhor adulto que ela é capaz de ser. 
 
>>>> 3. Isso desconsidera a zona do conforto do seu filho: Seu filho não é a sua versão mini. Ele é a sua própria pessoa, esteja em qual estágio de desenvolvimento emocional, mental ou físico que ele esteja. Abraço pode não significar o mesmo para ele que para você. Por favor, respeite isso.
 
>>>> 4. Isso pode comprometer o sentido natural e saudável de perigo deles: Sabe quando você tem aquele sexto sentido, aquela energia ruim que você simplesmente sente “Ufff, não quero essa pessoa perto de mim”. E aí você simplesmente evita essa pessoa. Isso pode ser um instinto de sobrevivência.
 
Quando crescemos, nossos sentidos desenvolvem uma forma que inconscientemente nos diz quando podemos estar em perigo. Uma criança ser forçada a abraçar um adulto contrariada aprende a não confiar sempre em seus instintos quando se trata da sua segurança, dos seus arredores, e das pessoas que não conhecem muito bem.
 
É o cérebro da criança dizendo, “Hum, estou desconfortável! Espero a confirmação de segurança antes de dar o abraço!” E os adultos dizem,”Que confirmação o que, abraça sua tia-avó-prima de uma vez!” Você pode saber que a tia-avó-prima é gente boa, mas seu filho precisa aprender por si. Ele precisa tomar essa decisão por conta própria.
 
>>>> 5. Isso pode ignorar algumas pistas e sinais importantes que seu filho está tentando te dizer: Uma criança não querer abraçar um adulto pode ser uma coisa inocente, a criança está conhecendo sobre o mundo através de tentativa e erro. No entanto, não querer abraçar pode significar que algo mais está acontecendo.
 
O parente ou amigo da família pode ter ferido a criança no passado intencionalmente (agressão) ou acidentalmente (pisou em sua mão ao cruzar o quarto). Ou feito algo para assustá-los, como contar uma história assustadora. Ou a criança de alguma forma fez uma conexão entre a pessoa e algo de que não gosta.
 
Há todos os tipos de cenários. E enquanto que a criança recusar abraço por motivo de agressão é certamente uma das possibilidades mais alarmantes, também existem outras pistas como os primeiros sinais de autismo ou síndrome de Asperger, que podem envolver aversão ao toque.
 
Quando uma criança rejeita um abraço de um adulto ou vários, sente com ela e delicadamente pergunte se há alguma razão por que não queria abraçá-los. Pode não ser nada, mas ser for é melhor que você descubra o quanto antes.
—–
Resumindo, será que a tia pode ficar triste se a Domi não quiser abraça-la? Claro que sim.
Mas seus sentimentos feridos não superam as lições arriscadas que a pequena Domi pode digerir se ela é forçada a tocar alguém que ela não quer.
As crianças são pessoas com o cérebro, as emoções e comportamentos em desenvolvimento. Eles não são bichos de pelúcia. Adultos são desenvolvidos, pessoas experientes que devem ser capazes de compreender de forma racional e aceitar a natureza de uma criança que não está interessado em um abraço.
Então, quando a criança entra em contato com tal situação, que eles saibam que não há problema se não quiser abraçar alguém.
Para qualquer um que teve seus sentimentos feridos por uma criança que rejeitou seu abraço, simplesmente aconselhe: “Não leva para o lado pessoal.”
{Baseado em um artigo do site http://everydayfeminism.com}

Mas o que crianças veganas comem?

Faz tempo que não escrevia no blog…. Minha página anda com o foco bem aberto na maternidade e eu não tenho falado tanto de veganismo por aqui. Muita gente que chegou ultimamente na página veio me perguntar mais informações sobre a dieta vegana para crianças e eu resolvi fazer esse post!

Minha filha de 15 meses acabou de começar a realmente se interessar em comida… Ufa! Temos conseguido sentar 3 vezes por dia e comer todo o prato <3 ….E ainda fazer lanches entre as refeições. Mas o que uma criança vegana come?

Vou descrever um exemplo de dia inteirinho de refeições daqui de casa e no fim vou analisar nutricionalmente com ajuda do site Cronometre.

>> Começamos o dia com uma linda e longa mamada ao acordar.

Café-da-manhã: Amasso 1/3 de uma banana, adiciono aveia, coloco um pouco de LSA (mistura triturada de semente de linhaça, amêndoas e semente de girassol) ou farinha de chia, e também um pouquinho de leite de amêndoas para deixar a mistura mais molinha. As vezes troco o leite de amêndoas por umas colheres de iogurte de soja (ou coco, depende do que tenho disponível em casa).

Enquanto ela come isso, geralmente eu estou me atracando no meu pão torrado com abacate. Ela sempre acaba comendo umas 2 ou 3 colheres do abacate que eu raspo do meu pão e divido com ela.

Para beber: água.

a873b5cea793ea9deb501dc1ff099ff5.jpg

Lanchinho da manhã: Alguma fruta. Pequenas quantidades… as favoritas são morango, uva, mirtilo e melão.

Unknown-3.jpeg

Almoço: Sopa de lentilha com arroz integral. Sempre em alguma refeição do dia rola leguminosas, sendo lentilha, feijão ou grão-de-bico os mais comuns! Adiciono algum vegetal, geralmente abobrinha ou cenoura. Além disso, eu trituro uma folha de couve e adiciono no cozimento. Tempero muito bem com alho-poró, alho normal, cebolinha e salsinha. Sirvo com um pouquinho de sal rosa e um fiozinho de óleo de linhaça.

Para beber: água.

cb901553430290efde13c67c5aab0feb.jpg

Mamada: Se ela estiver em casa, esse é o horário de dormir. Antes de dormir, rola uma mini mamada também. Se estiver na creche, ela toma um pouquinho de leite de soja, ou de amêndoas ou de coco (sempre vario).

Lanchinho da tarde: Crackers de arroz ou algum outro tipo.

Rice-Crackers-with-Minced-Tofu-Dip-730x390.jpg

Janta: Purê de cenoura, bata inglesa e batata-doce juntos. Tempero com alho, cebolinha, salsinha, alho-poró ou o que tiver junto. E quinoa cozida com brócolis. Sirvo com um pouquinho de sal rosa e um fiozinho de óleo de linhaça.

Para beber: água.

b825a3f04007b0853e0a51c03add0b93.jpg

Antes de dormir: mamada.

Primeiro eu coloquei o perfil e idade dela no cronometre, saiu que ela precisava mais ou menos de 700-800kcal por dia. Ela passou um pouco, esse dia deu 900kcal. Mas eu não tenho certeza da quantidade de leite materno que ela toma, então isso pode ter variado um pouco a mais ou menos…

Apareceu a seguinte imagem:

Screen Shot 2016-03-20 at 12.08.42 AM.png

Nenhuma novidade, né? A minha filha já toma suplemento de vitamina B12 diariamente, e eu não achei a opção de adicionar suplemento ali na lista desse site.

Proteína, fibras alimentares, ferro e cálcio não foram problema! Além disso, também tem o Zinco e os Omegas que são preocupação, e ela conseguiu consumir direitinho o necessário (graças a chia e linhaça). Aliás proteína é até de se rever. Em vez de dar duas fontes ricas (lentilhas e quinoa), eu acho que devo reduzir a uma apenas, ela está consumindo o dobro do que precisa!

Mais umas imagens interessantes:

Screen Shot 2016-03-20 at 12.11.28 AM.png

Apareceu água pouca pois eu não coloquei a quantidade correta, ela toma muita água o dia inteiro (foi a primeira palavra que aprendeu a falar, rs).Screen Shot 2016-03-20 at 12.13.01 AM.png
Omega 6 não completou mas não ficou muito baixo não.
Screen Shot 2016-03-20 at 12.12.36 AM.png
B12 como já falei e como era esperado, o 25% que ela consumiu foi o que tinha no meu leite materno. Vitamina D, bom ela tomou seu banho de sol diário😉 … Zinco também costuma ser uma preocupação entre veganos, mas olha ali!

Conclusão: dá para manter uma criança vegana super saudável, sem dúvidas :) 

Entre as comidas favoritas estão:
>> macarrão ao sugo ou a bolonhesa de soja.
>> quibe de berinjela
>> lasanha de proteína de soja
>> panqueca de legumes
>> stir-fry de vegetais com tofu
>> pirão de feijão
>> sopinha de feijão com macarrão
>> grão-de-bico cozido com vegetais
>> sopa de legumes
>> bolinhos de espinafre com abobrinha
>> sopa de abóbora ou purê de abóbora
>> escondidinho de mandioca com legumes
>> almôndegas de soja
>> cevada com legumes e ao leite de coco

 

Aprenda a fazer um assado vegano para o Natal!

Fácil de fazer, a base dele é…. farinha de trigo! Apesar disso, acreditem, ele é altamente protéico.

e66fb8adc62da3a5b3687ad3679588b5.jpg

Já ouviu falar de SEITAN? Uma “carne” feita de gluten? Essa é o novo vício daqui de casa. É trabalhoso para fazer, porém não há segredo! Fácil, porém trabalhoso.

Primeiro gostaria de esclarecer sobre o gluten: Se você não tem nenhuma alergia ou intolerância, não há problema em consumí-lo. O glúten é simplesmente a proteína do grão do trigo. Antes de ir atrás das “modinhas nutricionais”, pondere bem. Quem não é celíaco pode consumir gluten, sim. E aqui em casa consumimos como fonte vegetariana de proteína!

Existem muitas maneiras de fazê-lo. Com o tempo e prática, você vai experimentando maneiras diferentes, temperos, molhos, etc, até achar o que você a sua família gostam mais. Vou passar a receita mais básica aqui.

Você vai precisar:

  • 4 xícaras de farinha de trigo
  • 2 xícaras de água
  • Caldo de legumes (alternativamente você pode fazer o seu próprio em casa, se tem o hábito)
  • Temperinhos a gosto.

 

Como fazer? Primeiro você mistura a farinha de trigo com água e mistura até ter uma “massa” como se fosse fazer um pão. Se precisar acrescente mais água ou mais farinha de trigo… até que tenha uma massa que não esteja muito grudenta e nem muito seca.

Pegue essa “massa”e coloque dentro de um recipiente com água morna até que cubra a massa inteira. Deixe ali por uns 20 minutos. Agora é a parte engraçada, vamos “lavar” o trigo do gluten, separando as duas partes. Abra a torneira a lave bem a “massa”, toda a farinha vai ir embora. Lave até que a água não saia mais branca e você tenha apenas uma massa bem “chicletinha” na sua mão, provavelmente o tamanho da massa diminuiu em menos que a metade. Pronto! Você tem na mão apenas o gluten.

Agora pegue uma panela grande, encha de água e coloque o caldo de legumes, ou a água do seu caldo feito em casa. Cubra o gluten e cozinhe por umas 2 horas… ou menos tempo se for em panela de pressão. Aqui também vale colocar em um recipiente de vidro com a água do caldo de legumes e assar…. já fiz das duas maneiras!

E pronto! Você vai ter na mão uma “peça” de assado para preparar como quiser. Pode fazer o molho que desejar e despejar por cima🙂

Algumas dicas extra:

  • O meu jeito favorito de comer é cortar em fatias finas, fritar (eu sei, eu sei hahaha) com um pouco de molho shoyu, cebolinha, salsinha, etc. Fica muito saboroso!
  • Pode ser que voce se frustre com a quantidade de farinha que começou e o tamanho do gluten que terminou. Pode parecer pouco, mas o gluten sustenta bastante por ser pura proteína. Então não se apavore, dá para servir bastante gente com pouco assado se disponibilizar alguns acompanhamentos.
  • Se você achar muito trabalhoso a parte de lavar o trigo do gluten, dá para comprar direto a farinha de gluten puro, assim é só misturar com agua. Dessa forma fica bem gostoso também pois você pode misturar junto pó de alho ou temperinhos secos que você preferir direto na massa.

Espero que dê certo por aí!

VAMOS CELEBRAR A VIDA sem morte nesse Natal, gente???❤❤

Desconstruir a maternidade romântica é nosso papel

A forma como a sociedade coloca a maternidade romântica, tipo aquela idéia de que mães são seres perfeitos, sempre sorrindo, angelicais, santas que jamais erram é uma das ferramentas de opressão para nos vender a vontade de ser mãe.

1545706_10208042049711954_6790912128051584670_n

Já cansei de ouvir de amigas childfree convictas que elas ainda tem um pedacinho lá dentro de vontadinha de ter filhos. Vontadinha essa, queridas, provocada pelo marketing que o sistema patriarcal faz em cima da maternidade.

Eles querem te seduzir sim. Sabe porque? Por que mãe é mulher que não age. Mãe fica quieta pois tem seu tempo reduzido. Mãe não incomoda. Mãe está, em muitos casos, fora do mercado de trabalho. Mãe tem pouco tempo: o tempo que tem é precioso e normalmente é usado para coisas urgentes. Ativismo fica por último. Uma mãe é uma mulher com muito menos tempo de incomodar e de reivindicar seus direitos na sociedade. 

Mas eu estou aqui para tentar mudar isso. Eu, mãe apaixonada louca pela cria, estou aqui para te dizer: essa romantização é uma mentira. Maternidade é uma responsabilidade pesada. Sim, é apaixonante, visceral e não posso mais ver a minha vida de outra maneira, porém vamos a verdade: tem que querer muito. Não compre a idéia poética de ser mãe.

Mãe não é exclusivamente amor, carinho e compaixão. Mãe é uma mulher que sofre, que chora, que reclama. Mãe se tranca no banheiro por minutos livre pela sua sanidade. Mãe é uma mulher que, como nunca antes, questiona o patriarcado e os malditos papéis de gêneros dentro da maternidade. Mãe fica com inveja do pai e da vida dele que segue tão igual a antes. Mãe sente vontade de ter nascido homem. Mãe se exclui socialmente. Mãe carrega nas costas dupla ou tripla jornada. Mãe abre mão da vida profissional porque não tem escolha. Ou em muitos casos aceita qualquer trabalho porque precisa. Mãe vai rodar na entrevista de emprego, adivinha porque? Por que é mãe. Mãe talvez seja uma mãe que não pôde ter acesso ao aborto e tenha sido obrigada a sê-lo. Mãe se arrepende. Sim, de ter se tornado mãe: pelo menos por um segundo, ela se arrependerá. Mãe se sente sozinha. Mãe vai querer que a licença maternidade acabe logo, e depois não vai querer que acabe nunca. Dói ficar em casa 100% do tempo com um bebê mas também dói sair de casa sem ele. Mãe é contradição. Mãe atura marido por medo de se separar. Por medo de ser mãe solteira. Mãe atura até violência doméstica por isso. Mãe tem dores. Físicas e psicológicas, muitas dores. Além das suas dores, mãe também sente as da cria (10x mais forte). Mãe é mulher sobrecarregada. É mulher há dias sem dormir. Cansada. É mulher sem o mínimo de vaidade pois já abriu mão do que não é urgente. Ou é mulher vaidosa que se sente feia por não ter tempo. Mãe se sente muito feia. Tem que se acostumar com o novo corpo. Mãe passa fome. Passa dias sem tomar banho. Mãe olha para o céu e agradece quando consegue fazer xixi. Mãe tem suas vontades e necessidades jogadas para o lado para atender a cria. “Ahhhh mas mãe que é mãe faz isso feliz”. Ela tem escolha? Mãe é insegura. Mãe é uma mulher que se tornou tão vulnerável quanto como se sua pele do peito fosse arrancada e o coração estivesse exposto ali assim tão fácil de ser machucado.

Mãe se culpa, se culpa, se culpa diariamente e se questionará como mãe para o resto da vida pois a sociedade não vai cansar de apontar o dedo e lembrá-la de como ela provavelmente está fazendo isso errado.

Mãe é uma mulher que sonhou com a maternidade romântica e sofreu muito para adaptar-se quando viu que a realidade é bem diferente. E que, por conta da poesia que todos pensam quando se fala em “ser mãe”, ela não se sente no direito de reclamar. Não sem se sentir envergonhada ou culpada. Porque MÃE É MÃE, dizem todos. Essa frase opressora que serve de justificativa para que aceitemos todo o peso da maternidade sem reclamar, quase como se fosse “agora aguenta”.

E é claro que eu escrevo esse texto com o coração e com culpa, pois afinal MÃE É MÃE, né? O que eu estava pensando? Ainda bem que, no sofrimento, na surra, nas situações difíceis nós também crescemos. Agradeço a maternidade por me mostrar o quão forte nós realmente somos. E você nos subestima patriarcado, quando acha que a falta de tempo que a maternidade acarreta vai nos calar. Estamos juntando nossas forças. Nos aguarde.

Sequencia de YOGA para mamãe & bebê

Montei essa sequencia fofa de YOGA incorporando o baby na sua pratica, nada de nivel avançado, tudo simples e claro que a serie deve fluir num ritmo organico, ou seja cheio de pausas para beijinhos, carinho, amor, abracinhos, mamadas e o que quer que seu bebe necessite😉 É muito importante sorrir para o bebe, brincar, conversar e transformar a pratica em um momento gostoso e divertido de afeto entre mae e bebe.

Nao é necessario ter muita experiencia com yoga, apenas adapte as poses aos limites do seu corpo. Minha bebe tem 10 meses por isso ficou bem ativa durante a pratica, mas pode ser feito com bebes mais novinhos tambem – porem pelo menos a partir de 6 meses ou que ja consigam se sentar sozinhos. No caso de bebes mais novinhos voce pode praticar yoga com ele pertinho de voce deitadinho. Lembre-se que o bebe é um pesinho a mais entao pegue leve na pratica.

1
Como a maioria das aulas de yoga, começamos com Suryanamaskara A. Voce pode fazer entre 1-3 vezes, dependendo do quanto voce estiver a vontade para fazer. Se voce ja conhece yoga, provavelmente ja sabe do que se trata. É melhor ter um instrutor quando fizer pela primeira vez a fim de ter certeza que voce está fazendo corretamente, infelizmente aqui nao consigo me aprofundar tanto:
– Começando em pé com seu bebe no colo.
– Inspire, gentilmente levante seu bebe para o alto. É legal olhar para ele para dar segurança.
– Exale, dobre para frente (Uttanasana) e coloque seu bebe gentilmente no chao. A partir daqui siga a Suryanamaskara sem o baby.
– Inspire, levante a cabeça, olhe para frente e endireite a coluna.
– Exale, dê um passo largo para tras e em seguida com o outro pé tambem até estar em plank, devagarinho traga seu peito até chão como se estivesse fazendo uma flexão, podendo colocar os joelhos no chao primeiro se for necessário (Chaturanga Dandasana).
– Inspire, empurre o chão para longe de voce, estique os braços, abra o peito e olhe para cima (Urdhva Mukha Svanasana).
– Exale, sente no quadril e levante-o em direçao ao céu para Adho Mudka Svanasana. Segure de 3-5 respiraçoes aqui.
– Inspire, destrave os joelhos e dê um passo apos o outro para frente, levando seus pés para perto das mãos. Expire e relaxe o corpo dobrando-o para frente.
– Inspire levante trazendo as maos para cima. Se o seu bebe estiver por perto, traga-o para cima novamente como fez no começo.

2
Utkatasana (ou Pose da Cadeira): Começando em pe, pé juntinhos e com seu baby no colo, dobre os joelhos gentilmente como se estivesse sentando em uma cadeira. Coloque o seu baby sentadinho no colo e voce pode segurá-lo com os dois braços e ficar assim ou segura-lo com um braço e estender o outro. Fique aqui por quanto tempo for confortavel para voces dois🙂

3
Virabhadrasana A, B e C (ou Pose do Guerreiro): Começando em pe com os dois pés juntos e com o bebe no colo, dê um passo largo para trás até que suas pernas estejam em posiçao de afundo. A diferença é que o pé que está atras deve ficar inteiro no chão mais ou menos a quase 90 graus da outra perna. Gentilmente levante o baby para cima, sorrindo e interagindo com ele. Transiço para a pose B: abra um dos braços para tras (o mesmo braço do lado da perna que está atras) e com o outro braço segure o bebe sentadinho em cima da sua perna que esta flexionada em 90 graus (Aqui, pode levantar o pé tirando o calcanhar do chao e fazer o bebe ir para cima e para baixo, assim ele se diverte um pouquinho. Sempre muito gentil e devagar). Para a pose 3, abrace bem o baby e devagarinho tire o pe de tras do chao ao mesmo tempo que vai esticando a perna da frente. Repita tudo do outro lado. Vale dar muitos beijinhos no baby entre uma pose e outra😉

4
Upavistha Konasana: Sem segredos aqui. Sente com as penas tao abertas o quato voce estiver confortavel. Coloque seu bebe na sua frente e va dando beijinhos e interagindo. Pode deita-lo na sua frente e dar beijinhos enquanto vai movendo seu peito para baixo ate conseguir se aproximar do chao o maximo que conseguir. Pode segurar um dos pes, depois mover-se e segurar o outro.

5
Baddha Konasana: Muito parecido com aanterior, porem dessa vez junte a sola dos pes e feche as pernas, como se fosse fazer “borboletinha”. E devagarinho va movendo seu peito em direcao ao chao. Se o bebe estiver por perto, interaja sempre🙂

6
Janu Sirsasana A: Sente e deixe uma perna esticada e a outra flexione o joelho, traga a sola do pe o mais perto do quadril possivel. Quando estiver confortavel com as pernas, mova seu peito em direcao a perna esticada e tente segurar seu pe. Se nao for possivel, segure qualquer parte da perna que for. Da para abracar o baby enquanto estiver na pose, se ele estiver por perto.😉 Repita do outro lado.

7
Utthita Chaturanga Dandasana e Chaturanga Dandasana, ou simplesmente Plank alto e baixo: Nao tem segred, ne? Baby pode ficar em baixo e voce tem uma motivacao linda para descer para o plank baixo: dar muitos beijinhos.

8
Setu Bandha Sarvangasana (ou Ponte): Deitada com o baby no colo, flexione os joelhos e traga seus pes perto do quadril. Levante o quadril e segure pelo tempo que voces estiverem confortaveis. O baby serve como um pesinho aqui tambem! Parar variar, traga um dos pes em cima do joelho oposto e levante o quadril. Faça o mesmo para o outro lado. Aqui ambem voce pode empurrar o quadril para cima e para baixo fazendo movimentos de cavalinho para o baby se divertir um pouco.

9
Ustrasana (ou pose do Camelo): Essa pose é intermediaria entao so faç se se sentir confortavel. Se nao for possivel colocar a mao no pe, simplesmente abra o peito o maximo que conseguir, olhando para cima e inclinando-se para tras. Ajoelhada com o baby no seu colo, va devagarinho inclinando-se para tras ao mesmo tempo que empurra o quadril para frente. Segure o baby com um braço e com o outro tente agarrar o calcanhar. Troque os braços e faça do outro lado tambem. Baby aqui tambem serve como um pesinho. De muitos beijinhos😉

9_1
Navasana (ou pose do Barco): Sentada com o baby no colo, tire os pes do chao e balance o quadril no chao. Va devagarinho estivando as pernas e os braços. Deixe o baby montadinho no seu corpo e de muitos beijinhos.

9_2

Ubhaya Padangustasana: Essa pose tambem é intermediaria. Se voce nao consegue esticar as pernas nao tem problema, pode esticar ate o limite que puder. Tambem, sentada com o baby no colo use o seu dedo indicador para agarrar o dedao do pe e vai esticando as pernas, tirando a perna do chao ao mesmo tempo que encontra o centro de equilibrio do quadril no chao. Role gentilmente devagarinho para tras e para frente para ganhar uma massagem deliciosa nas costas, feita pelo chao rsrs. Role ate sentar novamente no chao e dobre seu corpo para frente. Muita interecao com o baby. Como na maioria das poses, rola muitos beijinhos!!!😉

9_3
Aqui quis brincar um pouquinho de Acro yoga. Bem rapidinho pois ela nao se sente tao confortavel ainda, rsrs.

9_4
Acabou! Sente, beije, abrace, agradeça a sua companhia linda e dê um premiozinho final se puder: tetê ;))

Muito importante: siga seus limites. Nao faço nada que nao se sentir confortavel ou que sentir que nao pode. Toda pose de yoga éadaptavel a todos os niveis entao ache o que é possivel para voce e seu baby, e divirta-se :))

Guia completo para alimentação vegana infantil

Finalmente consegui terminar de traduzir.
Na verdade nem sei se voces lembram de quando eu postei sobre isso. Esse foi o guia mais completo que eu ja coloquei as mãos e por isso fiz questão de passar para frente. Ele fala sobre nutrientes, sobre substituiçoes, sobre quantidades adequadas, sobre o processo de introduçao alimentar e de quebra ainda mostra varias receitas veganas simples e maravilhosas. Tudo dividido entre a idade do bebê, que no guia vai de 0 a 4 anos. 126 paginas de informaçao a ser devoradas!!

vfv

Foi com muito amor e muita vontade de espalhar o veganismo que busquei autorização da First Steps Nutrition Trust para traduzir esse guia maravilhoso e disponibilizar gratuitamente no meu blog.

Gostaria de frisar que é importante manter atenção nas diferenças culturais entre o Brasil e o Reino Unido (país a qual esse guia é destinado). Por exemplo, em algumas partes do guia se sugere dar água da torneira para a criança, não sei se isso é uma prática viável no Brasil. Outro ponto é que muitas das receitas incluem feijão e frutas enlatados, acredito que não seja uma prática comum consumir frutas dessa forma no Brasil, assim como é no Reino Unido. Também os leitores notarão que algumas comparações de custos são mostradas em libras (pounds). Os sites, referências e a parte de “Outros Recursos” achei interessante manter na língua original.

Mas o mais importante é lembrar que tudo que esse guia fala em suplementação, ele leva em consideração as recomendações do Reino Unido e dos profissionais de lá. Não sei como isso se compara ao Brasil, por isso não substitua ajuda profissional por este guia. Consulte seu médico!

E aproveite as receitas!

❤❤❤ Baixe aqui